domingo, 21 de abril de 2013

apocalipse segundo

naqueles dias me veio a visão. estava sob um platô e não podia ver meus pés, o chão sob mim era a continuidade do meu corpo, ao redor tudo era claridade e vazio, uma brancura cegante e eu vi o fim.

olhei minhas mãos, a pele que as cobria era muito fina e sentia toda a atmosfera. eu estava só. de repente uma força centrífuga me retirou dali, senti um torpor e uma agonia como quem quer gritar e só encontra o vácuo. acordando, como quem dormira há dias, eu estava na plataforma de uma estação de trem, não conseguia entender se acabara de desembarcar ou se estava de partida.

alguns segundos depois um trem chegou, surgiram dentro e fora dos vagões homens e mulheres, seus rostos eram transparentes, pois eu via através deles, eles carregavam papéis e esferas, alguns também portavam engenhocas que eu não conhecia, instrumentos que nunca havia visto antes, outros, pesados sacos de conteúdo também desconhecido e relógios.

estes homens iam e vinham e como seus rostos eram opacidade não era capaz de distinguir-lhes as feições, de modo que pareciam cópias uns dos outros, repetições, deja-vus, mesmo seus trajes eram peças diversas recombinadas entre si, como as cartas de um baralho. eles ora vinham do oriente, ora do ocidente, depois esmaeciam até não poderem mais ser vistos - eu estava novamente só, muito embora meus pés, neste instante, estivessem comigo.

era fato que, assim como eu não via o semblante daqueles homens e mulheres, o que não me dava reconhecer nenhum deles, eles também não me olhavam, eram pasmos e levitantes, cada um deles era a unidade desvinculada do outro e também daquele trem. enquanto caminhavam desenhavam como que uma coreografia, porém, quando mudavam de direção tudo parecia o mesmo, apesar do rearranjo a alteração não produzia nenhum efeito sobre a realidade de estarem ali.

o trem partia, chegando já outro que também parecia sempre o mesmo, as pessoas entravam e saiam dos vagões, mais uma vez não era possível entender se os que chegavam não seriam os mesmos de partida. foi quando olhei para o alto e vi uma torre onde se avistava um grande relógio, seus ponteiros giravam horário e anti-horário, vindo dar sempre à mesma hora. eram duas.

de repente meus olhos piscaram pesadamente. [escuro]. quando pude abri-los me vi numa grande arena, eu e a multidão de homens e mulheres da estaçã. olacal era amplo e árido, ao nosso redor via-se altos muros e nestes, escadas em várias direções, pareciam levar a lugar nenhum ou ao abismo.

entre nós alguns homens aos quais eu chamaria líderes do grupo, eles nos faziam caminhar após e ante outros e nos organizavam, nos faziam executar movimentos com os braços e a cabeça; nós sorriamos, eles não eram rudes e também sorriam, todos acenávamos com o olhar. de quando em quando nos faziam perguntas, aleatoriamente, estas não tinham sentido e a resposta era sempre a mesma e todo aquele que fosse interrogado, ao responder, recebia uma moeda. nada era familiar, embora não fosse estranho e meu estado não era de incômodo, ao contrário, sentia uma misteriosa satisfação por estar ali.

entramos num grande armazém, um galpão com muitas luzes, nas paredes escorria, num fio, um líquido visguento e rubro, maquinários flutuavam sobre nossas cabeças, emitindo vibrações que nos faziam reagir com euforia contida, um espasmo jubiloso, vindo na boca uma salivação ácida. [sorria].

das altas janelas do galpão eu via a noite.

tudo, então, foi acelerando. os homens se movimentavam numa rapidez violenta, o sorriso lhes causava contorções na face e aquelas máquinas começaram a piscar luzes alaranjadas e roxas, no entanto, não havia um ruído sequer, apenas a cena vertiginosa e muda. o espaço ficou oco. senti um apavoramento, os homens e mulheres começaram a se dissolver em pó - desejei fugir, de repente as luzes apagaram, era silêncio e negrume, minhas pernas amorteceram e caí.

quando voltei ao real estava sentado na cama de um quarto que eu não reconhecia e já não me lembrava o que havia antes desta visão. busquei ainda a saída, não havia – eu podia encontrar no vácuo ou no silêncio de mim mesmo? talvez. nunca cheguei a sabê-lo e quando estava quase por agarrá-lo o perdi. por quarenta dias e para sempre.

depois deste acontecimento eu era extensão. nuvens de gases eclodem magicamente em minha mente e eu morri. morri milhões de mim, morri por vários anos. eu já não sei se durmo, se sonho ou se sou a projeção da existência de alguém que dorme, alguém que existe enquanto dorme.

e então veio o fim o silêncio e o agora [a ausência que faltava].

apocalipse primeiro


duzentos mil anos se passaram. eu que aqui cheguei tive por missão lhes contar estas memórias [como quem ergue um brinde] antes que venha o fim.

nosso terreno a muito já não é o centro, orbitamos entre-junto a outras esferas. meu mundo já não se reconhece mais, a coroa foi retirada da cabeça, nossos olhos nos traíram.

!

e nos tempos finais se anunciará que a cabeça guarda sob a coroa algo que não sabemos, veladamente, um não sei que me reza, que me antecede, me prediz; meu disfarce ilúcido. ato falho.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

memórias de humanidade... [provérbios]


[gênesis]  ...da anamnese à diagnose meu relato toma forma e os protocolos vigentes prescrevem a eternidade, eu contudo vejo o fim. ei de morrer de muito ter vivido depois de gasto o corpo prolongado no tempo e oprimido no espaço, corpo eficiente, botolizado, reificado, avançado, desoncolizado, vitalizado, ei de morrer depois de muito ter vivido e gasto o corpo e me cansado de ser este homem. [...]

provérbios


[#]. eu sou um homem porque funciono como tal; entendo o organismo que sou, a dinâmica em mim e as voltas de suas engrenagens;
[#]. saber. podemos saber e prever; e podemos, ouçam todos: controlar os males e superar as feitiçarias, para nos salvarmos da condenação eterna de sermos parvos;
[#]. homens mortais e imortais: qual é afinal a nossa identidade? rompimento e superação, a roda girando;
[#]. o homem olha para si, e o que vê? corporeidade, ele é!  ao seu redor? acessórios de sua própria existência, sua invenção de ver e falar o que sabe que vê;
 [#]. palavrório, pronúncias. sou eu quem diz “o mundo é”, sou eu quem nomeia e porque nomeio significo. não sou mais um animal.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

terra vazia


os órfãos desvestiram seus casacos 
nús reconhecíamos a dor sem espaço
janelas há dias fechadas 
o tempo ensinando o costume da falta 
silêncios abreviados 
olhos secando lençóis lavados 
a terra vazia.






quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

memórias de humanidade . . . [gênesis]

nasceu, no tempo das luzes, um projeto de mim, a massa reconhecida agora corpo inaugurava-se em vísceras visíveis; amostragem necessária e suficiente à elucidação de todos os males e afastamento de feitiçarias. a cabeça guardava a alma e era o lugar digno da coroa. naqueles dias nascíamos estes homens que agora estamos e nunca mais haveríamos de deixar de sê-los, não deixar morrê-los. por certo levaríamos o estandarte sempre adiante. 
há séculos passados, revistos e imaginados, traçamos as linhas sobre as quais produzimos nossa própria biografia. éramos homens. que é o homem? cem dias se passaram entre um bilhão de anos.
cem dias se passaram e eu fui fabricada artesanalmente quando acordados das trevas visamos narcisos a face humana. carrego acima dos membros a digna cabeça, o instrumento que nos elevaria acima da natureza e nos daria a verdade. eu sou, portanto, um bem maior que as feras, as ervas e pestes ou as rochas que recebem as ondas do mar e não reagem, eu sou um homem! um projeto de mim nasceu. era o oitavo dia.
depois, os dias passados, o corpo dado era conhecido, medido; sabiam tudo. (nestes dias a alma - se há - evacua-se nalgum espaço imaginário). este corpo não é oferecido é violado. violamo-nos com mútua permissão, embora não soubessemos do ato nem do consentimento. nos deixamos conduzir - e o nome desta sombra nem chega a ser cegueira. 
ainda que eu não permitisse que meu corpo fosse mostrado, sem saber eles observavam aquilo tudo que podia existir por debaixo da pele e cada segundo da matéria nomeada corpo era detalhado em inumeráveis listas de consulta.  tudo agora eu sei de mim quando sangro, durmo, cuspo, levito. invasões em nome da santa fé conhecedora, aquela que nos livrou da morte, da dor, do frio e de toda sorte de feitiçarias.
com as palavras que foram inventadas, aramos campos inteiros com sementes aromáticas e sedutoras. este jardim será sempre necessário entre nós e para sempre necessárias as palavras que dele brotam. um dia minha carne será alimento para seus vermes, mas as palavras serão as mesmas. o corpo exposto, o palavrário discursório explicativo, ser homem era ser isto, de um modo funcionante. e era magnífico que eu soubesse.
nossos desejos desfilando sob holofotes e todos nós deambulávamos tão exaustos que já não nos dávamos ao pulsar do corpo em ânsia de jorro. a vida era concreta demais para algo de extasiada expressão. o espasmo era vapor que não cabia. por isso todas as manhãs passamos a ser acordados antes que o dia fosse, para então darmos reinicio ao concerto de nossa gloriosa conquista de sermos humanidade.
mas esta coisa que, como certeza de ser, em mim se enraizou não era de mim nascida nem em mim existida como que por sempre sem início. tudo foi invenção! e o mundo que me fizeram ver, a coisa que aprendi a entender que eu era irrevogavelmente constituída, num mundo inevitável, este predestinado resultante dos outros dias dos homens vividos a muito antes de mim, tudo era vaidade da cabeça que guardava o espírito e eu estava sem uma porta para arriscar o salto. pois quando foi que me tornei humano? isto seria substância que eu pudesse declarar sobre eu mesma? quanto mais sabia de mim mais me distanciava. algum dia chegaria a visar o que é a coisa homem?
eu não procedia bem aos mecanismos de ser gente.
e assim, da anamnese à diagnose meu relato toma forma e os protocolos vigentes prescrevem a eternidade, eu contudo vejo o fim. ei de morrer de muito ter vivido depois de gasto o corpo prolongado no tempo e oprimido no espaço, corpo eficiente, botolizado, reificado, avançado, desoncolizado, vitalizado, ei de morrer depois de muito ter vivido e gasto o corpo e me cansado de ser este homem.
no ano vinte e sete mil do rei sem fé e sem cor nos tornamos especialistas na aniquilação de nós mesmos e o espírito passeava pela face da terra e do abismo.